banner


Seja bem-vindo.

Confira os contos finalizados e revisados de:

FICÇÃO CIENTÍFICA  -  FANTASIA  -  TERROR.


Interessado em tecnologia, design ou marketing? visite o Alfamídia Online, site de cursos online

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Um Alien numa Terra Alien 3/5 - Capítulo II

Agridoce. A palavra humana me veio a mente quando buscava um termo adequado, humano ou Fin, para descrever meus sentimentos enquanto estava com Saath. Foram os melhores dias de minha vida. E os piores.

No primeiro ciclo curto eu ainda conseguia me iludir dizendo que estava apenas cumprindo meu dever, de me aproximar de uma Fin para obter informações estratégicas. Se nós demonstrávamos uma afinidade cada vez maior, se estar com ela fazia minha vida na terra parecer cada vez mais distante e alienígena, não eram apenas provas que minha missão estava avançando conforme previsto?

Foi só no segundo ciclo curto que eu tive que me confrontar com a verdade. Foi quando recebi as primeiras ordens para começar realmente a espionar.

- Nosso gargalo logístico? Neste momento, provavelmente ainda é a conversão das indústrias. Acreditamos que o flagelo se expande mais rápido e é mais produtivo que nós, mas temos uma enorme base instalada de indústrias não bélicas. - eu perguntava e ela respondia abertamente, como se não estivesse revelando segredos cruciais.

- Nossa prioridade? Com certeza, adquirir a iniciativa na guerra. Até agora, temos apenas reagido, mas em dois ciclos longos, teremos a nova frota pronta para operar. Isto vai mudar o rumo da guerra, tenho certeza - eu cuidava para esconder minha frustração, cada vez que ela respondia abertamente as minhas perguntas, sem aparentar suspeita e sem esconder nenhuma informação. Minha vontade era dizer que ela não podia revelar segredos desta forma. Ela não sabia que a Hegemonia já tinha provas concretas de que havia espiões em seu meio? Que estes segredos que ela me revelava sem hesitação poderiam representar o fim de sua civilização?

Naquela noite, eu passei meu primeiro relatório sobre a operação. "Aproximação bem-sucedida. Fin reticente em repassar informações estratégicas. Nenhuma informação relevante obtida até agora. Prosseguindo com contato.". Era melhor esperar mais alguns dias e validar antes de passar informações falsas ou incompletas, foi a justificativa que dei para mim mesmo. Eu não me convenci. Não convenceria o Império também.

No terceiro ciclo nossa relação foi para um novo patamar. Contatos íntimos, foi a descrição contida nas ordens que eu havia recebido. Contatos íntimos. Só humanos descreveriam desta forma tão simples, mas mesmo em Fin não havia uma expressão que fizesse jus ao que compartilhamos.

Estávamos em seu apartamento. Um termo estranhamente adequado. Nos mundos periféricos os Fin viviam integrados em comunidades, sem nada que parecesse uma casa ou pertencesse a uma pessoa em particular, mas nas suas grandes cidades industriais eles viviam não muito diferente dos humanos, cada Fin com seu apartamento, em grandes edifícios que poderiam bem fazer parte de uma cidade humana.

Os Fin raramente ingerem bebidas ou drogas, mas reagem de forma muito mais direta a outros estímulos. Entrar no apartamento de Saath me fez lembrar nosso primeiro encontro. Tudo nele parecia transmitir e amplificar a presença dela. Odores semelhantes aos que ela gostava de transmitir, sons em diferentes frequências especialmente modulados, que lembravam sua voz.

Nós passamos horas ali, e pouco me lembro do que falamos. Lentamente, quase sem eu perceber, nossos corpos se tocaram, e eu senti pequenos fluxos de eletricidade navegarem entre nós dois. Depois, nossos tentáculos sanguíneos se encostaram, e começaram a trocar sangue. Quando vi, minha pulsação e a dela eram só uma, o sangue circulando por dois corpos como se fossem um, um sofisticado processo de troca de DNA transformava nossos corpos. Naquele instante, eu era Fin, e toda minha identidade humana era apenas um sonho distante.

No dia seguinte, recebi a ordem de matá-la.

Nenhum comentário:

Postar um comentário