banner


Seja bem-vindo.

Confira os contos finalizados e revisados de:

FICÇÃO CIENTÍFICA  -  FANTASIA  -  TERROR.


Interessado em tecnologia, design ou marketing? visite o Alfamídia Online, site de cursos online

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Despertar no Ano 50.000 3/6

      Então, eu precisava convencer a civilização de 50.000 anos no futuro a despertar bilhões de homens congelados. Era hora de começar a entender o melhor possível a situação que eu tinha pela frente.
   - Muito bem, então eu preciso preparar uma defesa para apresentar, que justifique por que vocês não devem apagar bilhões de pessoas?
   - Para este momento, é uma explicação precisa o suficiente.
   - E quanto tempo eu tenho para me preparar, antes desta audiência?
   - O tempo que você precisar.
   - Quer dizer que a audiência só vai acontecer quando eu estiver pronto? - Talvez fizesse sentido ganhar tempo, pelo menos estaria adiando a decisão deles de exterminar todas aquelas pessoas.
   - A audiência irá acontecer em 5 minutos. Mas temos todo o tempo que você necessitar.
   - E se eu precisar de mais de 5 minutos? - Cinco minutos? Cinco minutos para entender como pensa uma civilização absurdamente avançada e, aparentemente, totalmente despreocupada com a vida humana?
   - Estamos em uma Realidade 2, cada segmento desta Realidade avança no tempo como for mais conveniente. Quando você estiver pronto, terão se passado cinco minutos de tempo real.
   Eu pensei um instante. Era difícil lembrar que toda esta realidade era só uma simulação de computador, inclusive eu, pois tudo parecia tão real. Tinha que manter isto em mente.
   - Bom, então o que importa é que temos tempo. Será que não temos como ir, então, para um lugar onde possamos conversar melhor? Com uma mesa, quem sabe, e cadeiras? Eu estava sentado em uma cama, e meu interlocutor permanecia o tempo todo em pé.
   - Já que você parece consciente de que estamos em um ambiente simulado, não há porque não adaptá-lo a forma que você julgar mais conveniente - o ambiente ao nosso redor se transformou. Estávamos agora sentados, com uma mesa entre nós - estou também tirando as travas para que você mesmo controle seu ambiente.
   O que ele queria dizer com isto? Que eu poderia também controlar a realidade? Eu pensei em uma xícara de café, e ela surgiu na minha frente. Eu peguei e tomei um gole. Impressionante.
   - Estamos conversando desde que eu acordei, mas ainda não sei seu nome. O meu é Eduardo.
   - Nós não utilizamos mais nomes, Homem do Século XX, chame-me da forma que desejar. Nomes já não conseguem identificar um indivíduo de forma adequada, nem sua linguagem falada é utilizada para interagir na realidade do tempo presente. Estamos em uma simulação de um ambiente de sua época, com sua linguagem, para você ter uma possibilidade de interagir conosco, ainda que em um nível primitivo. Escolha nomes e outros identificadores primitivos da forma que julgar mais conveniente.
   Perfeito. Arrogantes e condescendentes. Provavelmente eu seria assim também, se tivesse que conversar com um Neanderthal, que é como eles deviam pensar a meu respeito. Ainda não explicava por que eles queria destruir todas as pessoas do meu tempo. Se, no século XXI, encontrássemos um bando de Neanderthais congelados, duvido que iríamos pensar em simplesmente destruí-los.
   Melhor começar a entender a verdadeira questão aqui, e assim fui direto ao ponto - Ok, enquanto penso em um nome para você, por que não me explica por que razão vocês querem destruir as pessoas do meu tempo.
   - Apenas um pequeno percentual dos seres armazenados são do seu tempo. Eles se concentram principalmente nos séculos XXIV a XXVI. A verdadeira questão é que não temos uma única razão para não destruí-los.
   - E é por isto que vocês querem apagar estas pessoas? Por que vocês não encontram um motivo para não o fazer?
   - Você se refere em um sentido genérico, mas é possível que isto se deva a não entender corretamente as individualidades envolvidas. Eu, pessoalmente, não quero destruí-los. Pelo contrário, eu o despertei para me ajudar a salvá-los. Minha posição é, em certo sentido, de um advogado de defesa. Eu preciso de sua ajuda, preciso que me dê pelo menos uma prova de que vocês não são tão primitivos que sua destruição seja justificada
   - Obviamente, comparado com vocês, nós somos primitivos. Vocês estão 50.000 anos a nossa frente. Agora, se são tão evoluídos no plano científico, como podem não ter evoluído também no campo moral? Vocês não percebem que assassinar todas estas pessoas é errado?
   - Moralmente falando, estamos muito mais avançados que vocês, Homem do Século XX. Não há nenhuma dúvida para nós que reviver qualquer um de vocês é moralmente errado. Até mesmo trazer você de volta a vida, por este breve tempo, é um ato moralmente questionável. Sua moral do século XX é que é por demais primitiva para entender.
   "Belo advogado eu tenho para nos defender", pensei em silêncio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário